WhatsApp
1 ano após

“Tristeza que mata”: 1 ano após mortes no caso Jaguar, sensação é de injustiça em Blumenau

Manifestação programada para domingo vai pedir prisão de Evanio Wylyan Prestini e responsabilização de agentes da PRF

21/02/2020 19h11
Por: Maico Zanotelli
Fonte: ND+
Reprodução / Redes Sociais / ND
Reprodução / Redes Sociais / ND

O crachá pendurado no chaveiro de casa dá a sensação de que logo Amanda Grabner Zimmermann vai cruzar a porta em direção ao trabalho. Mas é apenas um sentimento, pois há um ano a cena antes rotineira não se repete mais. A jovem é uma das duas vítimas fatais de um acidente de trânsito que chocou o Vale do Itajaí.

No dia 23 de fevereiro de 2019, às 6h15, cinco amigas voltavam de uma festa no Litoral em um Fiat Palio. Na BR-470, já em Gaspar, o carro delas foi atingido de frente por um Jaguar.

Na direção do veículo importado estava Evanio Wylyan Prestini, alcoolizado, segundo o teste do bafômetro. Além de Amanda, de 18 anos, ali também foi interrompida a vida de Suelen Hedler da Silveira, de 21 anos. Antes do acidente, autoridades já tinham sido alertadas sobre a direção perigosa do condutor na rodovia.

Manifestação por justiça

Neste domingo (23), dia em que o acidente completa um ano, uma manifestação está programada. Será às 10h, em frente ao Fórum da Comarca de Blumenau, na rua Zenaide Santos de Souza, no bairro Velha.

O pedido é que as pessoas usem branco e façam um ato em paz. Segundo as famílias das vítimas, é um pedido de justiça.

Luta para seguir em frente

Bastante abalada, a mãe de Suelen luta para seguir a vida. Nas palavras dela, é uma tristeza que mata aos poucos, mas que serve de combustível para cobrar o retorno de Evanio à prisão, e uma punição aos agentes da PRF (Polícia Rodoviária Federal) de Blumenau que não abordaram o carro após receber denúncias.

“Nada vai fazê-la voltar, mas ele precisa ficar preso para outras pessoas verem que não pode beber e sair por aí matando pessoas”, diz Suily Lindalva Hedler.

Amanda Riewe, avó de Amanda, também desabafa: “Eu não me conformo. Ela deveria estar aqui com a gente, tinha o direito de viver, tinha sonhos, tinha objetivos. Tudo isso ficou para trás. Estamos tentando digerir ainda”.

A jovem perdeu a vida aos 18 anos, um dia depois de passar no exame da autoescola.

PRF poderia ter evitado

Quase uma hora antes do acidente fatal, Sílvio Bambinetti tentou alertar a PRF sobre o comportamento perigoso de Evanio ao volante.]

Ainda na cidade de Ascurra, ele filmou o Jaguar em zigue-zague na BR-470. A gravação mostra a conversa com o agente de trânsito na tentativa de que o carro importado fosse interceptado caso passasse no posto de Blumenau – o que câmeras de segurança confirmam ter ocorrido.

O carro não foi abordado e cerca de dez quilômetros à frente da unidade da PRF, a colisão ocorreu.

A Polícia Rodoviária Federal chegou a divulgar nota na época do acidente lamentando as mortes. Um processo administrativo disciplinar também foi aberto para averiguar a conduta dos três agentes de plantão naquela noite. Passado um ano, o resultado da apuração ainda não veio a público.

Segundo o chefe de Comunicação da PRF em Santa Catarina, Luiz Graziano, o processo está em andamento.

“Este é um processo complexo e não tem prazo para conclusão. Depende de a comissão entender que apurou todas as circunstâncias”, explica.

Questionado se houve mudança no protocolo de atendimento a denúncias semelhantes à feita no caso Jaguar, Graziano frisou tratar-se de um fato isolado.

“A PRF sempre atende as denúncias, dentro do possível. A comissão está apurando se houve falha dos servidores. Sempre combatemos a alcoolemia, que foi a causa do acidente do Jaguar. Em 2019, a PRF de Santa Catarina fez quase 11 mil multas de embriaguez, sendo o Estado que tem o maior número de flagrantes de motoristas embriagados no Brasil”, pontua Graziano.

Motorista responde em liberdade

Após 154 dias no Presídio Regional de Blumenau, o motorista do Jaguar conseguiu um habeas corpus junto ao STJ (Superior Tribunal de Justiça). Ele deixou a cadeia no dia 26 de julho.

Um mês depois, porém, recebeu a informação da decisão da Comarca de Gaspar, onde tramita o processo, de que irá a júri popular. Ele responde em liberdade por dois homicídios e três tentativas de homicídio – contra as três outras jovens que estavam no carro, mas sobreviveram.

Thainara Scwartz dirigia o Fiat Palio atingido pelo Jaguar. Ela tentou desviar quando viu Evanio invadindo a contramão, mas não conseguiu evitar a colisão. O carro importado bateu na lateral direita do veículo, lado em que estavam Amanda e Suelen.

Em tratamento com psicólogo e psiquiatra para tentar superar o trauma, Thainara vê no julgamento o fechamento para uma história dolorosa que ainda lhe traz pesadelos.

“Todo mundo quer que isso acabe para virar a página e seguir a vida. A saudade é o que fica, mas a gente vai aprendendo a viver sem elas”, comenta a jovem.

Linha do tempo

23/02/2019, às 5h20 – Sílvio Bambinetti liga para a PRF (Polícia Rodoviária Federal) de Blumenau e alerta sobre condução perigosa do motorista do Jaguar que trafegava pela BR-470, em Ascurra, em zigue-zague.

23/02/2019, às 6h15 – em Gaspar, o Jaguar atinge um Fiat Palio onde estavam cinco jovens. Suelen Hedler da Silveira, 21 anos, morre no local. O motorista do carro importado, Evanio Wylyan Prestini, 31 anos, é preso por dirigir embriagado.

23/02/2019, às 11h20 – é confirmada a morte de Amanda Grabner Zimmermann, de 18 anos, no Hospital Santa Isabel. Ela também estava no Fiat Palio atingido pelo Jaguar no quilômetro 42 da BR-470.

06/06/2019 – Vara Criminal de Gaspar determina que o motorista do Jaguar vá a júri popular. Como ainda cabe recurso, a data do julgamento não foi marcada. Ele responde em liberdade por dois homicídios e três tentativas de homicídio.

Contraponto

O advogado Nilton Macedo Machado, que constitui a defesa de Evanio Prestini, mantém o posicionamento de tentar desqualificar os crimes de homicídio com dolo eventual e de tentativa de homicídio, para que Evanio responda por homicídio culposo e lesão corporal culposa –  quando não há a intenção de causar morte ou dano.

Além disso, Machado apontou que reuniões foram feitas na tentativa de chegar a um acordo entre as partes no processo, que corre na esfera Cível, em que as famílias das vítimas pedem indenizações.

Por orientação dos próprios advogados de defesa, Evanio não irá se manifestar, segundo Machado.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários