WhatsApp
Regularização!

Governo diz que paga seguro-desemprego atrasado até a próxima 4ª feira

Sistema foi afetado por saque do FGTS. Problema começou em dezembro

17/01/2020 17h01
Por: Júnior Recalcati
Fonte: Poder 360
Sérgio Lima | Poder360
Sérgio Lima | Poder360

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informou nesta 5ª feira (16.jan.2020) que os trabalhadores que não estavam conseguindo sacar o seguro-desemprego terão seus pedidos reprocessados e liberados até a próxima quarta-feira (22).

Desde a 2ª quinzena de dezembro de 2019, trabalhadores que entraram com pedido para o benefício têm relatado atrasos na liberação. Isso se deu por conta dos saques imediatos no FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) liberados pelo governo, que causaram 1 conflito entre os 2 sistemas. Sempre que 1 trabalhador retira o FGTS por causa do saque imediato ou qualquer outro motivo além da rescisão do contrato de trabalho, o seguro-desemprego é notificado e o beneficiário terá de entrar com um recurso administrativo 557 para ter o benefício liberado.

“Por motivos de segurança, é feita uma série de conferências em diversas bases de dados toda vez que 1 trabalhador solicita o benefício do seguro-desemprego. O processo ocorre para verificar a identidade do trabalhador e se ele realmente tem direito ao benefício”, explicou a secretaria. Ao Poder360, informou que os trabalhadores que apresentaram o recurso administrativo terão os benefícios liberados no que vier 1º: o reprocessamento ou a análise do recurso. Já aqueles que não contestaram a negativa não precisam se preocupar porque a liberação será automática.

A evolução da solicitação ou da reanálise pode ser acompanhada pela internet ou pelo aplicativo da Carteira de Trabalho Digital.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários