WhatsApp
ENTREVISTA

“Bolsonaro é a personificação da esperança”, diz Daniela Reinehr, primeira mulher a governar SC

Desde o tarde de segunda-feira, Santa Catarina vive um momento inédito em sua história.

07/01/2020 15h19Atualizado há 2 semanas
Por: Maico Zanotelli
Fonte: NSC
Ricardo Wolffenbuttel / Secom / Divulgação
Ricardo Wolffenbuttel / Secom / Divulgação

Pela primeira vez, mesmo que interinamente, uma mulher está no comando do Estado. As duas semanas de férias do governador Carlos Moisés (PSL) levaram ao poder a vice-governadora Daniela Reinehr (PSL). Em entrevista exclusiva concedida na residência oficial à disposição dos vice-governadores, no bairro Coqueiros, na Capital, a governadora em exercício fala desse fato histórico, projeta seus dias no comando do Estado, admite e relativiza o afastamento em relação ao centro do poder do governo Moisés e reforça a linha bolsonarista.

Uma honra e um orgulho muito grandes. Acima de tudo, uma responsabilidade gigante, porque hoje a gente olha a história de Santa Catarina e temos muitas mulheres como Anita Garibaldi, verdadeiras lendas, e muitas mulheres anônimas que ajudaram a construir a história do nosso Estado. E meu nome daqui um tempo vai ser lembrado como a primeira mulher que assumiu o governo do nosso Estado, a primeira vice-governadora eleita. Eu quero que as pessoas leiam uma bela história, um legado. É isso que pretendo deixar. Uma marca boa, positiva, de que contribuiu para o desenvolvimento do nosso Estado.

Essa condição de ser a primeira mulher a assumir o governo, mesmo interinamente, é porque além de nunca eleger uma governadora e ter na senhora a primeira vice-governadora eleita, Santa Catarina nunca teve uma mulher presidente da Assembleia Legislativa ou do Tribunal de Justiça, que estão na sucessão. Por que é tão difícil a mulher ser protagonista na política catarinense?

Eu sempre tive muito claro que o que falta é fazer. Claro que nesse fazer existe um arcabouço de coisas e de superações que a gente tem que vencer porque não é fácil para a mulher. Lá atrás, no início do governo, quando me perguntaram, eu achava muito natural. Porque até então, em toda minha vida foi muito natural ser mulher. Eu sempre cheguei onde quis, sempre venci todos os desafios que eu me propus. Hoje, eu percebo, passado um ano só, as dificuldades que existem em ser mulher. Outro dia brinquei no gabinete, porque alguém disse “olha, isso a esposa do governador faz” e eu respondi “olha, vai ser difícil eu conseguir uma esposa” (risos). Eu me dei conta de que sempre havia uma esposa atrás do governador, do vice-governador. A esposa tem essa característica de estar sempre dando suporte. Eu não tenho a esposa. Meu esposo está longe, lá em Chapecó, não tem como largar a carreira e me acompanhar, nem largar nossa vida, nossa casa, tudo lá. 

Essa condição de ser mulher, hoje eu percebo que é muito diferente. A mulher está sempre com os filhos. A gente agrega responsabilidades e não delega as anteriores. Acho que me dei conta das dificuldades que a mulher tem, do quanto mais precisamos nos superar para estarmos onde conseguimos estar.

Permita a brincadeira: a proximidade ao poder deixou a senhora mais feminista?

Acho que não (risos). Eu sempre vejo como uma superação. Isso não fragiliza, isso fortalece. Acho que à medida em que os desafios vêm aparecendo, que as dificuldades vêm aparecendo, a gente precisa ter uma decisão. Ou a gente fragiliza e padece ou fortalece e supera. Eu vou ser sempre o fortelece e supera.

Sua interinidade dura duas semanas. Como pretende em tão pouco tempo deixar sua marca, a marca da primeira mulher a governar Santa Catarina?

Infelizmente é um período meio limitado. O tempo é pouco e a máquina do Estado está fechada, Assembleia Legislativa em recesso. Tem alguns projetos que fui buscar ano passado e que a partir da semana que vem vou anunciar. São alguns projetos bacanas que consegui trazer para Santa Catarina e que vou apresentar à sociedade. 

Uma marca que quero deixar é consagrar essa proximidade que sempre tentei ter com as pessoas. Conversar, ouvir, ir e ver com meus próprios olhos. A partir de amanhã já vou para o Grande Oeste, vou ver toda a nossa infraestrutura. 

Quero passar mais uma vez, atualizando as informações, porque já fui várias vezes de carro. Quero ver nossas rodovias, as SCs, que documentar tudo para poder ir atrás do recurso para fazer a infraestrutura. É uma das coisas a que mais vou me dedicar agora. O primeiro ano foi de arrumar a casa, pagar dívidas. Acho que agora a gente tem um respiro. Quero focar em correr atrás dos recursos para fazer a infraestrutura que a gente precisa.

O governador Moisés deixou tinta na caneta ou levou a caneta junto?

A caneta está cheia (risos).

Na época da transição e no início do governo a gente percebia a senhora e o governador muito próximos nas agendas, nas falas, “governo Moisés e Daniela”. Depois a gente percebeu um certo afastamento, distanciamento. A senhora parece não estar na linha de frente do governo hoje. O que aconteceu?

Eu enxerguei a transição como um processo de conhecimento. A gente mergulhou no Estado de Santa Catarina para tentar ter um maior número de dados possíveis, entender o máximo possível para depois trabalhar, porque a partir de janeiro a gente estava sozinho. Somos duas pessoas e podemos estar em frentes diferentes. 

Acho que até a reforma do Centro Administrativo facilitou um pouco esse distanciamento, porque eu despacho aqui (residência oficial) às vezes, outras onde era a antiga Secretaria de Articulação Internacional, que é um gabinete bem pequeno. Ele despacha na Casa d’Agronômica. 

Eu articulo muito com os secretários. Recebo muita demanda no gabinete e faço os encaminhamentos. Com o governo federal eu também articulo bastante. Como tive essa liberdade de fazer minha própria agenda, fui atrás e trabalho meio livre. Com liberdade dentro do que a gente traçou como meta. A forma como a gente trabalha, acho que é de independência mesmo. Importante é chegar ao resultado.

Com que frequência a senhora fala com o governador Moisés?

Quinzenalmente, pelo menos, a gente conversava, porque era a reunião do colegiado. Sempre que teve alguma demanda, eu mandava mensagem, ele respondia. Ele mandava mensagem também.

O PSL viveu um racha em 2019 com a decisão do presidente Jair Bolsonaro de deixar a sigla para fundar o Aliança. Aqui no Estado o governador Moisés teve divergências com a maior parte da bancada estadual e decidiu ficar no PSL, enquanto eles vão para o novo partido. A senhora está alinhada aos que saem. Como avalia episódio todo?

Acho que ninguém gostaria que tivesse essa divisão no PSL. Mas chegou um momento em que o presidente Jair Bolsonaro entendeu que não tinha mais como ficar no partido. Eu não tinha uma proximidade muito grande com o PSL, até porque foi minha primeira filiação partidária, o primeiro cargo eletivo que concorri, nunca tinha chegado perto de um partido político. Minha política era ativismo político de tentar mudar o Brasil. Nunca me vi concorrendo e resisti muito. Acabei estando aqui (risos). Quando presidente Bolsonaro anunciou a saída dele do PSL, para mim foi a coisa mais natural do mundo seguir ele. Foi pelo presidente Bolsonaro que eu vim para a política. Eu entendia que ou a gente mudava a conjuntura do nosso país ou gente ia embora do Brasil, já tínhamos decidido. 

O Bolsonaro foi a personificação da nossa esperança, dos nossos anseios. Lamento muito que as pessoas que vieram até aqui com Bolsonaro e pelo Bolsonaro não permaneceram. Mas também acho que é uma depuração.

A senhora acha que Moisés erra ao deixar de lado o bolsonarismo e apostar um PSL, como ele diz, “com a cara do governador”?

Eu não gosto de fazer esse tipo de julgamento. Cada um tem seu livre convencimento, seu livre-arbítrio. 

Mas é natural que dentro dessa depuração as pessoas mostrem sua identificação ideológica, sua identidade, aquilo que acreditam. Aí acaba que acontece um distanciamento. 

O bolsonarismo mais do que tudo é uma forma de pensar, uma essência que está muito viva aqui em Santa Catarina. Algumas pessoas não concordam, não se alinham. Acho que o filtro natural é muito importante. Esse filtro está acontecendo. Eu sempre agradeço muito, tenho muita gratidão. Até hoje encontro pessoas que lá atrás estavam lutando por essa mudança no país e que agora estão em ministérios, ajudando pessoas. Confio muito nesse alinhamento.

Moisés diz que o PSL "com a cara do governador" é um partido "sem extremistas". É uma referência aos deputados estaduais Ana Campagnolo e Jessé Lopes. A senhora é extremista?

Não me considero (risos). Pelo contrário, acho que uma das minhas habilidades é conversar e ouvir as pessoas. Extremismo é justamente o contrário, não conseguir ouvir o teu opositor, não conseguir fazer essa articulação. Eu sou muito firme nas minhas convicções, no meu posicionamento. Quando não concordo eu falo. Para o governador também. Nunca vou me abster de dizer o que penso, sempre de maneira respeitosa. Mas quando estou errada, dou o braço a torcer.

Eventualmente seu nome surge como possível candidata a prefeita de Chapecó nas eleições deste ano. Existe essa possibilidade?

Uma das coisas que descobri na política é que a gente nunca pode dizer não, a gente nunca sabe o amanhã. O meu princípio é de que a gente precisa terminar o que começa. Eu iniciei este mandato e não concordo com o pula-pula. O eleitor vota na pessoa para ela ficar quatro anos. Tenho certeza de que em Chapecó a gente consegue encontrar um nome bacana, uma pessoa comprometida e com visão empreendedora.

Já tem esse nome?

Por ora, não.

A senhora e a deputada federal Caroline de Toni são as lideranças eleitas pelo grupo na cidade. Ambas resistem a ser candidatas...

Quando citaram o nome da Carol, eu disse: “quem vai para o teu lugar em Brasília?”. Claro que se ela fosse, eu apoiaria, como tenho certeza de que ela me apoiaria. Mas acho que ela tem a missão dela lá e eu tenho a minha aqui. Ela está fazendo um excelente trabalho em Brasília. Com toda essa mudança do Aliança a gente tem que organizar isso tudo. Temos procurado um outsider, um empreendedor. O que falta no Estado e na vida pública é essa visão empreendedora.

A senhora acredita que o Aliança fica pronto a tempo de disputar a eleição municipal?

Eu sou uma eterna otimista. Acho que o não a gente já tem. Vejo muito pujante essa determinação do povo catarinense e do povo brasileiro nesse bolsonarismo, nessa esperança de mudar. Tanto que agora, em período de recesso, tudo fechado, todo mundo de férias, se conseguiu quase 20% das assinaturas necessárias.

Acredita que a onda 17 vira onda 38 (número escolhido pelo Aliança)?

A onda era Bolsonaro. Ele só foi para um partido porque precisava. A gente não consegue se eleger sem. 

Para o lugar que ele for, todo mundo vai. Todo mundo que acredita nele, nessa essência que ele representa. 

O próprio PSL era um partido nanico que a gente transformou, todos nós que acreditamos no Bolsonaro.

Estamos aqui na residência oficial que é destinada aos vice-governadores. Santa Catarina é um dos dois Estados que oferecem essa estrutura ao ocupante do cargo. Como avalia a polêmica que se criou ano passado sobre essa questão?

Essa informação de que apenas dois Estados oferecem casa não confere. Quase todos tem, mas em muito deles o vice-governador não usa a casa porque mora na capital e tem sua estrutura. Vários outros Estados têm também, mas é utilizada para outros fins. Tem o papel institucional que a casa tem. A parte privativa é pequena, três quartos. Tem toda a parte em que a gente recebe para jantares. Já recebi desembargadores, presidente de tribunal. Se vem um ministro, um secretário, eu não tenho condições de fechar um estabelecimento para recebê-los, pelas condições de segurança deles. Essa parte institucional é importante. Aquela polêmica não foi devidamente esclarecida. Eu vi isso como um ataque muito pontual, porque a estrutura já existia. A gente diminuiu em 60% os gastos da casa desde entrei em relação aos ano anterior em que não tinha vice-governador. O maior equívoco se deu porque o CNPJ do gabinete de vice-governador e da residência é o mesmo. 

Atribuíram gastos de forma muito maldosa. Como se eu tivesse telefonista, digitador. Isso não existe, são funções do gabinete. Toda a conta que o gabinete tem, atribuíram à Daniela. A simplicidade com que se vive aqui é notória.

A senhora tem duas semanas como governadora interina. Sonha, um dia, em ser a governadora efetiva?

O futuro a Deus pertence. Eu sempre me coloquei à disposição para o que precisassem. Quando o PSL decidiu ter uma chapa ao governo do Estado, eu era pré-candidata a deputada estadual. Acredito que seria muito tranquilo eu ter conseguido me eleger nessa onda de direita, nessa onda Bolsonaro. Mas no momento em que se precisou de um nome para ser candidato, quando não tínhamos perspectiva nenhuma de chegar, me chamaram e me coloquei à disposição porque acredito no projeto. Nunca tive uma vontade exclusivamente minha, sempre procurei trabalhar no grupo. Estou no auge da minha capacidade produtiva e sempre me colocar à disposição para ajudar o projeto. (Ser governadora) não é algo que eu penso, penso em terminar o trabalho. O futuro é decorrência desse trabalho.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários