WhatsApp
Combate a Dengue

Cresce em 264% o número de casos de Dengue no país

A região Sul apresenta 6.604 casos, o equivalente a 2,9 % do registro total

Sandro Risso

Sandro RissoA coluna Saúde em Foco destaca assuntos relevantes com uma releitura dos principais acontecimentos, teorias e práticas da área. O objetivo é trazer informações que possam auxiliar os leitores no dia a dia, seja para tomar decisões ou simplesmente para aqueles que buscam subsídios em suas argumentações. O colunista, Sandro José Risso, preza pelo elo entre o leitor e o escritor a fim de agregar valores à manutenção e melhoria na saúde de seus seguidores.

27/03/2019 21h20Atualizado há 1 ano
Por: Sandro Risso
Fonte: Ministério da Saúde | Sandro Risso
Ministério da Saúde
Ministério da Saúde

Inicialmente vale lembrar que a dengue pode apresentar-se na forma clássica e na forma hemorrágica, que necessita de maiores cuidados em leitos de observação ou internação. A dengue hemorrágica inicia com os mesmos sintomas da dengue clássica, e com o término da febre surgem os sinais de alarme como, sangramento pelo nariz, boca e gengivas. 

Normalmente, os sinais de alarme ocorrem entre o 3º e 5º dia, esse é o chamado período crítico para dengue. Tratado com hidratação e medicação sintomática corretamente, a maioria dos casos evolui para cura.

Os casos de dengue no país passaram de 62,9 mil nas primeiras 11 semanas de 2018 para 229.064 no mesmo período deste ano (até 16 de março). A incidência, que considera a proporção de casos em relação ao número de habitantes, tem taxa de 109,9 casos/100 mil habitantes até 16 de março deste ano. O número de óbitos pela doença também teve aumento, de 67%, sendo grande parte no estado de São Paulo.

O secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Wanderson Kleber, ressalta que apesar do aumento expressivo no número de casos, a situação ainda não é considerada uma epidemia. No último ano de epidemia no país, em 2016, foram registrados 857.344 casos da doença no mesmo período. Contudo, ele reforça que é preciso intensificar as ações de combate ao Aedes aegypti para que o número de casos de dengue não continue avançando no país. A região Sul, que abrange os estados de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul, apresentou 6.604 casos, que equivale a 2,9 %.

Em relação aos óbitos, o aumento neste ano é de 67% em relação ao mesmo período de 2018, passando de 37 para 62 mortes. Destaque para o estado de São Paulo, que registrou 31 óbitos, o que representa 50% do total registrado em todo o país.

Esses são alguns dados que devem servir de alerta para a necessidade do trabalho preventivo, que é extremamente fácil de ser concretizado. Para evitar a incidência da dengue bastam algumas atitudes simples como: 

 Não deixe água parada, destruindo os locais onde o mosquito nasce e se desenvolve, evita sua procriação.

 Deixe sempre bem tampados e lave com bucha e sabão as paredes internas de caixas d'água, poços, cacimbas, tambores de água ou tonéis, cisternas, jarras e filtros. 

 Não deixe acumular água em pratos de vasos de plantas e xaxins. Coloque areia fina até a borda do pratinho.

 Plantas que possam acumular água devem ser tratadas com água sanitária na proporção de uma colher de sopa para um litro de água, regando no mínimo, duas vezes por semana. Tire sempre a água acumulada nas folhas.

 Não junte vasilhas e utensílios que possam acumular água e guarde garrafas vazias de cabeça para baixo.

 Entregue pneus velhos ao serviço de limpeza urbana, caso precise mantê-los, guarde em local coberto.

 Deixe a tampa do vaso sanitário sempre fechado. Em banheiros pouco usados, dê descarga pelo menos uma vez por semana.

 Retire sempre a água acumulada da bandeja externa da geladeira e lave com água e sabão.

 Sempre que for trocar o garrafão de água mineral, lave bem o suporte no qual a água fica acumulada.

 Mantenha sempre limpo: lagos, cascatas e espelhos d'água decorativos. Crie peixes nesses locais, eles se alimentam das larvas dos mosquitos.

 Lave e troque a água dos bebedouros de aves e animais no mínimo uma vez por semana.

 Limpe frequentemente as calhas e a laje das casas, coloque areia nos cacos de vidro no muro que possam acumular água. 

 Mantenha a água da piscina sempre tratada com cloro e limpe-a uma vez por semana. Se não for usá-la, evite cobrir com lonas ou plásticos.

 Mantenha o quintal limpo, recolhendo o lixo e detritos em volta das casas, limpando os latões e mantendo as lixeiras tampadas. Não jogue lixo em terrenos baldios, construções e praças. Chame a limpeza urbana quando necessário.

Faça a sua parte observando as dicas acima e permita sempre o acesso dos agentes de combate a dengue em sua residência ou estabelecimento comercial. A dengue precisa ser combatida e o melhor combate é a prevenção, faça sempre a sua parte. 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários