WhatsApp
Anseio regional!

Lideranças reivindicam curso de Medicina em São Miguel para ministro da Educação

Comitiva liderada pelo prefeito de São Miguel do Oeste, Wilson Trevisan, foi recebida em Brasília na manhã desta terça-feira (3), pelo ministro, Abraham Weintraub

03/12/2019 17h05Atualizado há 1 semana
Por: Júnior Recalcati
Fonte: Oeste em Foco | Ascom
Divulgação
Divulgação

Uma comitiva de São Miguel do Oeste e região, liderada pelo prefeito, Wilson Trevisan, foi recebida na manhã desta terça-feira (03), em Brasília, pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub. Em pauta, esteve a solicitação da liberação para abertura de um curso de graduação em Medicina no município.

De acordo com Trevisan, o impedimento que persiste é um Decreto emitido ainda pelo governo anterior, de Michel Temer, proibindo a instalação de novos cursos de Medicina em todo o País, por um período de cinco anos. Mesmo assim, o prefeito de São Miguel do Oeste assinala que a comitiva defendeu a aptidão do município e região para sediar esta graduação, e ouviu do ministro que será realizado um estudo sobre a possibilidade de “quebra” deste Decreto, e posterior liberação do curso para a região.

“Esta é uma realização que estamos buscando para o médio a longo prazo, mas é importante a mobilização das nossas lideranças, para mostrarmos que estamos preparados e queremos a implantação de um curso superior de Medicina em nossa região”, salienta o prefeito.

Também participaram da reunião, representantes dos senadores Esperidião Amin e Jorginho Mello; o deputado estadual, Darci de Matos; representante da CDL de São Miguel do Oeste, Rafael Lamb; representante da Acismo, Írton Lamb; representante da FIESC, Neri Barth; prefeito de Belmonte, Genésio Bressiani; e o reitor da Unoesc, Aristides Cimadon.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários