WhatsApp
Coluna Bruna Antunes

O cruel e perigoso mundo dos psicopatas: quem não tem consciência

Confira a coluna da psicóloga, Bruna Antunes, desta semana

Bruna Antunes

Bruna AntunesBruna Antunes, natural de Descanso, tem 32 anos, é Bacharel em Psicologia pela UNOESC de São Miguel do Oeste e graduada em Administração de Pessoas pela Uniasselvi, e atua como psicóloga do CRAS de São João do Oeste. A coluna objetiva abordar temas relacionados à psicologia de forma clara a fim de agregar conhecimentos e facilitar a interpretação dos leitores. Além disso, Bruna destaca reflexões sobre a importância e os cuidados necessários com a saúde mental.

19/11/2019 12h36Atualizado há 3 semanas
Por: Bruna Antunes
Fonte: Oeste em Foco | Bruna Antunes
Oeste em Foco
Oeste em Foco

A palavra psicopata é muitas vezes usada sem que a gente realmente tenha noção do seu significado exato, porém, sempre é usada quando nos referimos a alguém que está ligado a atos cruéis.

Em seu livro “Mentes perigosas - o psicopata mora ao lado”, da autora Ana Beatriz Barbosa e Silva, encontramos de forma simples e clara, sobre o perverso mundo dos psicopatas, recomendo a leitura do livro que traz exemplos de casos, que fazem o leitor parar e se arrepiar. O livro é extremamente esclarecedor para o tema.

O tema da coluna deste mês é desafiador na medida que faz as pessoas sentirem um grau elevado de indignação, misturado a sentimentos de raiva, medo e angústia e perplexidade.

Primeiramente temos que definir o que é, como age um psicopata, para tal irei me basear nos estudos da autora citada acima. Para Ana Beatriz :

“O mais surpreendente é que, a princípio, os psicopatas aparentam ser melhores que as pessoas comuns. Mostram-se tão inteligentes, talentosos e até encantadores como o próprio conde romeno que o cinema imortalizou como o Conde Drácula. Inicialmente nos despertam confiança, simpatia e acabamos por esperar mais deles do que das outras pessoas. Ilusórias expectativas! Esperamos, mas não recebemos nada positivo e, no fim das contas, amargamos sérios prejuízos em diversos setores das nossas vidas.”

“Essa diferença entre o funcionamento emocional normal e a psicopatia é tão chocante que, quase instintivamente, recusamo-nos a acreditar que de fato possam existir pessoas com tal vazio de emoções. Infelizmente, essa nossa dificuldade em acreditar na magnitude dessa diferença (ter ou não ter consciência) nos coloca permanentemente em perigo.”

”Os psicopatas costumam ser espirituosos e muito bem articulados, tornando uma conversa divertida e agradável. Geralmente contam histórias inusitadas, mas convincentes em diversos aspectos, nas quais eles são sempre os mocinhos. Não economizam charme nem recursos que os tornem mais atraentes no exercício de suas mentiras. Para algumas pessoas, eles se mostram suaves e sutis, tal como os galãs da TV e do cinema. Quando não temos conhecimento sobre a personalidade dos psicopatas podemos ser enrolados por suas histórias improváveis. Entre outras razões, isso ocorre pela habilidade dos psicopatas em se informarem sobre os mais diversos assuntos. Se forem realmente testados por verdadeiros especialistas no assunto, revelam, porém, suas superficialidades de conteúdo. Eles tentam demonstrar conhecimento em diversas áreas como filosofia, arte, literatura, sociologia, poesia, medicina, psiquiatria, psicologia, administração, legislação e usam e abusam dos termos técnicos, passando credibilidade aos menos avisados. Outro sinal muito característico desse comportamento é a total falta de preocupação ou constrangimento que esses psicopatas apresentam ao serem desmascarados como farsantes. Não demonstram a menor vergonha caso sejam flagrados em suas mentiras. Ao contrário, podem mudar de assunto com a maior tranquilidade ou dar uma resposta totalmente fora do contexto. Esses tipos de psicopata são muito comuns no mercado de trabalho como um todo, que fingem ser profissionais qualificados, sem nunca terem colocado os pés numa faculdade.”

“Não sentir culpa nem remorço” - essa é a base de vida de um psicopata. 

Eles não tem o senso do que é bom ou ruim para as outras pessoas, só se preocupam com seu bem estar, sem ligar para o sentimento do outro. Não apenas são bandidos matadores e estupradores, mas aqueles que enganam, iludem para obter vantagens de qualquer espécie, passando por cima de todos e de tudo, sem sentirem nenhum tipo de arrependimento.

Existem graus de psicopatia. Nem todo psicopata vai matar. Alguns vão passar a vida passando para trás quem cruzar seu caminho.

A psicopatia também faz parte do universo infantil, sim, crianças podem ser psicopatas natos. As crianças psicopatas mentem muito, são manipuladoras, cruéis, impulsivas e extremamente egocêntricas. Podem ter atitudes de  queimar um cachorro ou estripar um gato, sufocar um irmão com um travesseiro, bater, morder, abusar, fazer maldades, destruir coisas, sem sentir culpa ou remorso. 

Na adolescência, e vida adulta, podem praticar vários tipos de crime, de simples roubos a atos de violência sexual e homicídios com requintes macabros. Parece que sentem uma espécie de prazer em ver a dor de outra pessoa.

 

Tudo sem que haja um motivo ou fator causador, a não ser o puro instinto. Grande parte dos especialistas acredita que a psicopatia tenha um componente genético. Sendo assim, nem mesmo uma boa educação  seria capaz de impedir as consequências disso. No máximo atenuar o transtorno. Em vez de assassino, o indivíduo poderia virar um executivo sem escrúpulos ou um político corrupto, por exemplo. Ainda usando da fala da autora Ana Beatriz:

“Os psicopatas possuem uma visão narcisista e supervalorizada de seus valores e importância. Eles se veem como o centro do universo e tudo deve girar em torno deles. Pensam e se descrevem como pessoas superiores aos outros, e essa superioridade é tão grande que lhes dá o direito de viverem de acordo com suas próprias. Para os psicopatas, matar, roubar, estuprar, fraudar etc. não é nada grave. Embora eles saibam que estão violando os direitos básicos dos outros, por escolha, reconhecem somente as suas próprias regras e leis. Além disso, são extremamente hábeis em culpar as outras pessoas por seus atos, eximindo-se de qualquer responsabilidade. Para eles, a culpa sempre é dos outros. Esse egocentrismo e essa megalomania, muitas vezes, fazem com que eles sejam vistos como arrogantes, metidos e autoconfiantes. Têm mania de grandeza, fascínio pelo poder e pelo controle sobre os outros. Os psicopatas não sentem qualquer embaraço sobre dívidas contraídas, pendências financeiras ou mesmo problemas de ordem legal ou pessoal (brigas, espancamento de namoradas). De forma indiferente, eles encaram todos os problemas que estejam vivenciando apenas como transitórios, falta de sorte, infidelidade de amigos ou que são derivados de um sistema econômico e social injusto coordenado por pessoas incompetentes”.

Por ora caro leitor, o tema psicopatia pede um extenso desenhar de informações, mas procurei trazer aqui uma descrição breve através de trechos do livro citado no início deste texto. Independente de tudo, a psicopatia é um transtorno mental, anunciado no DSM-V (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) como Transtorno da Personalidade Anti –social.   Alguns casos estão expostos no site :

https://super.abril.com.br/especiais/meu-filho-e-um-psicopata/

Boa leitura!

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários