São Miguel do Oeste - Polêmicas da Willy Barth repercutem na Semana Nacional do Trânsito

População clama por bloqueio de pontos de retorno e maior fiscalização

Por Júnior Recalcati 21/09/2017 - 19:38 hs
Foto: Júnior Recalcati | Oeste em Foco

A Semana Nacional do Trânsito, de 18 a 25 de setembro, traz à tona diversos assuntos voltados à segurança e a conscientização dos motoristas. Um tema levantado por eles são as condições de vias urbanas e de rodovias de toda a região. A Willy Barth, em São Miguel do Oeste, considerado um dos trechos mais temidos pelos condutores, é justamente um local com muitas adversidades, gerando preocupação da comunidade, dos poderes Executivo e Legislativo e, é claro, da própria polícia.

Definido como trecho urbano da BR-163, a via possui intenso fluxo de veículos, fiscalização precária e segurança praticamente zero. A Semana Nacional do Trânsito novamente pôs em discussão as diversas mudanças que deveriam ser feitas no local, no entanto, efetivamente, pouco tem sido feito. Além disso, a boa conduta dos motoristas também é um ingrediente importante para evitar ainda mais acidentes. Antes de tudo, é preciso ter consciência e responsabilidade.

Em busca de tranquilidade a população clama por mudanças na sinalização. Um dos principais pedidos é o bloqueio de pontos de retorno, principalmente em regiões curvosas, onde veículos em alta velocidade se deparam, muitas vezes, com outros carros parados sobre a via, tentando manobras de retorno. O fluxo de veículos pesados também é intenso. Em inúmeros casos caminhões manobrando sobre a pista, para acessar empresas instaladas às margens da Willy Barth, foram determinantes para a causa de acidentes.

O engenheiro do Dnit, em Chapecó, Diego Fernando da Silva, comenta que medidas já estão sendo tomadas para tornar o local mais seguro. Conforme ele, um levantamento com a empresa Sul Catarinense, até então, responsável por obras em rodovias da região, foi feito para o fechamento desses locais, porém, devido à rescisão contratual, as modificações não foram feitas.

Diego ressalta que o órgão trabalha para a contratação de uma nova construtora após a Sul Catarinense entrar em recuperação judicial. Ele não estipulou prazos, no entanto, a expectativa é que fique para 2018. Ele revelou que tratativas com a Administração Municipal e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) foram feitas para tentar solucionar o impasse, mesmo que de forma provisória. A ideia é inserir blocos de concreto, como os já existentes nas proximidades da Zete Materiais de Construção, ou, até mesmo, defensa metálica.

O engenheiro explica ainda que controladores de velocidade devem ser instalados na Willy Barth e em outros trechos da BR-163, além das BR’s 282 e 158. Ainda no dia 28 de agosto o prefeito, Wilson Trevisan, assinou, em Florianópolis, um acordo de Cooperação Técnica com a PRF, que deve garantir o controle do trânsito e fiscalização da velocidade na Willy Barth. O compromisso foi firmado entre Trevisan e o superintendente do órgão em Santa Catarina, Carlos Magno da Cruz Junior. O documento delega, da União para o Município, à competência para fiscalização eletrônica da via.

De acordo com o prefeito, será instalado um novo semáforo no acesso à área industrial, no Bairro Progresso. Também serão mantidos os dois semáforos atuais, nas esquinas com a Avenida Getúlio Vargas e a Rua Mem de Sá. Serão instaladas, ainda, lombadas eletrônicas em cinco pontos da avenida, e mais três radares fixos (pardais).

Fonte: Oeste em Foco